Connect with us

Mundo

“Acusar Ruanda de apoiar o M23 desvia a atenção da causa real do conflito”, diz Kigali

Published

on

As tensões entre Ruanda e a República Democrática do Congo aumentaram com contra-acusações de apoiar grupos rebeldes armados.

Na quarta-feira, Ruanda emitiu um comunicado rejeitando, novamente, as alegações de que está a apoiar rebeldes do M23 sancionados pela ONU no Leste da RDC.

“Acusar Ruanda de apoiar o grupo armado congolês M23 é errado e desvia a atenção da causa real do conflito contínuo no Leste da RDC e seu impacto na segurança dos estados vizinhos, incluindo Ruanda”, diz o comunicado.

Acrescentou que culpar o Ruanda mina os esforços em curso dos líderes regionais para encontrar uma paz duradoura, particularmente através das iniciativas de Nairobi e Luanda, com as quais o Ruanda está totalmente empenhado.

“É um erro confundir as medidas que Ruanda implementou para proteger as suas fronteiras com o apoio a qualquer grupo armado específico na RDC.”

Mas a crise em andamento no Leste da RDC está complicando o relacionamento de Ruanda com os seus aliados ocidentais, enquanto a ONU estaria ponderando sanções contra Ruanda por seu suposto apoio aos rebeldes do M23.  

Na terça-feira, foi a França que apresentou a Resolução 2667, votada por unanimidade, que ajustou o embargo de armas à RDC, eliminando a necessidade de as FARDC (forças da RDC) pedirem autorização prévia ao comité de sanções do Conselho de Segurança da ONU. No entanto, a Resolução 2667 manteve o embargo a actores não estatais, incluindo grupos armados.

A França apresentou a resolução apenas um dia depois de condenar o apoio de Ruanda aos rebeldes do M23.

Apesar da crescente pressão internacional, Ruanda diz ser um bode expiatório e as suas preocupações com a segurança foram ignoradas.

Há muito tempo expressa preocupação de que o Ocidente não esteja dando atenção aos rebeldes das FDLR no Leste da RDC, que travaram uma guerra em Ruanda e têm entre as suas fileiras indivíduos que participaram do genocídio de 1994 contra os tutsis.

“Não houve responsabilização pelo fracasso do governo da RDC em lidar com os mais de 130 grupos armados em seu território, os graves abusos contra civis cometidos pelas forças armadas congolesas e seus grupos armados auxiliares, incluindo a milícia remanescente genocida FDLR, que foi preservado por décadas na RDC.”

Com agências internacionais

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas