Connect with us

Eleições 2022

Activistas divididos sobre tomada de posse dos deputados na oposição

Published

on

Faltando pouco menos de dois dias para a abertura da quinta legislatura, marcada para próxima sexta-feira, 16, com a tomada de posse dos novos Deputados a aAssembleia Nacional, eleitos nas Eleições Gerais de 24 de Agosto, activistas e lideres das organizações da sociedade civil mostram-se divididos. Uns defendem a tomada de posse e outros consideram que caso isto venha acontecer, a oposição em bloco passa a ser conivente das injustiças sociais que o povo tem vivido.

O presidente do Movimento dos Estudantes de Angola (MEA), Francisco Teixeira, entende que os parlamentares eleitos na oposição devem sim, tomar posse para continuar a lutar dentro das instituições do Estado.

“Penso que todos nós sabemos que aconteceu neste pleito eleitoral, por isso, achamos que o país deve seguir para frente, e a oposição deve continuar sua luta dentro das instituições do estado para esforçar algumas mudanças”, afirma o líder juvenil.

No entender de Francisco Teixeira, será um grande de erro, se a oposição não tomar posse, vai deixar aqueles que precarizam o ensino a governar, pois “existem leis muito importantes que devem ser aprovadas ou reprovadas com ajuda de uma oposição forte”.

O Líder do MEA sublinha que a UNITA, não pode deixar o MPLA no parlamento somente com o PRS, FNLA e PHA, se assim acontecer, será um grande retrocesso até para a nossa própria democracia que ainda está marcar os seus primeiros passos.

Já o activista e docente Donito Carlos é de opinião que os parlamentares da oposição com grande realce os da UNITA não devem tomar posse, pelo facto dos mesmos não reconhecerem as eleições gerais como justa e transparente e entenderem que foi fraudulenta.

“Não é ético nem tão pouco moral tomar posse no parlamento após virem ao publico afirmarem que as eleições foram fraudulentas e criticarem uma coisa e no fundo fazem a mesma coisa.

O activista que participou em várias manifestações entende que se tomarem posse podem ser considerados como “traidores do povo”.

O também docente vai ao fundo convidando os lideres da oposição virem a público para dar a conhecer que perderam do que afirmar que ganharam, mas aceita os assuntos no parlamento que lhes foi atribuídos pela CNE.

“Se assim, eles deve já parabenizar o MPLA que supostamente foi o vencedor destas eleições, invés de dizerem que venceram as eleições de 24 de Agosto”, finalizou.