Conecte-se agora

Economia

Acertos técnicos e dúvidas dos empresários condicionam entrada do IVA

Redação

Publicados

on

acertos técnicos e dúvidas dos empresários condicionam entrada do iva - Vera Daves - Acertos técnicos e dúvidas dos empresários condicionam entrada do IVA

As dúvidas dos empresários e alguns problemas técnicos obrigaram o adiamento da introdução do IVA, na economia Angolana, previsto para o dia 1 de Julho.

De acordo com a secretária de Estado do Tesouro, Vera Daves, que falava à margem de um encontro com secretários de Estado dos departamentos ministeriais, o adiamento não implica a alteração da Lei do IVA, estando em causa apenas o prazo de aplicação da mesma, “e a orientação do Presidente é que o IVA seja implementado ainda este ano, sob pena de provocar uma forte pressão sobre o Orçamento Geral do Estado (OGE de 2019)”.

“Por essa razão é que a equipa económica está a dialogar com as diferentes partes interessadas no processo e esperamos que ainda esta semana haja uma proposta concreta a submeter ao Titular do Poder Executivo”, disse.

Vera Daves disse também que uma percentagem do IVA está prevista para cobrir algumas despesas do OGE e a não aplicação imediata poderá implicar o aumento da dívida pública ou corte nas despesas.

“Está previsto que a fonte de uma percentagem da receita total do orçamento será arrecadada através do IVA e se não for arrecadado só há dois caminhos possíveis, ou aumentar o endividamento ou optar pelo corte na despesa”, afirmou.

Acrescentou que, para o Governo, a implementApesar da Administração Geral Tributária (AGT) assegurar que tem todas as condições reunidas para a implementação do IVA, as dúvidas e contestações do Grupo Técnico Empresarial (GTE) mantém-se e defendem a introdução do IVA somente na data de 1 de Janeiro de 2020, um ano depois do previsto pelas autoridades angolanas.

Na passada sexta-feira (14), a reunião entre o Governo e o GTE, parceiro do Executivo para as políticas empresariais privadas, concordaram na possível alteração da data para Outubro, faltando para o efeito a aprovação da AGT, entidade responsável pela condução das políticas tributárias do Estado.

O Código do IVA prevê uma taxa única de 14 por cento para todas as importações de bens e para todos os grandes contribuintes com proveitos superiores a 15 milhões de kwanzas, incluindo empresas públicas de grande dimensão e instituições financeiras bancárias e de seguros.

Do valor arrecadado 60 por cento cairão directamente à Conta Única do Tesouro e 40 serão remetido à responsabilidade da AGT para os reembolsos aos contribuintes.

Quanto ao reembolso, os contribuintes poderão pedi-lo a dinheiro, cuja resposta poderá ser efectivada num prazo máximo de 03 meses, ou por certificado, num prazo mínimo de 45 dias.

 

jornal de Economia

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (247)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (13)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (16)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (61)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação