Conecte-se agora

Opinião

A UNITA e a amnistia

Ladislau Neves Francisco

Publicados

on

a unita e a amnistia - IMG 20180706 WA0013 1 - A UNITA e a amnistia

Estamos muma fase formidável, de novidades e assuntos bons de se falar e debater: Deputados a serem tratados como meros mortais; num verdadeiro contrasenso a ideia de terem sido escolhidos para a especial e nobre função de representar o povo. Com todas naturais interrogações sobre a legalidade dos actos a mistura, a verdade é que pelo menos dois deputados, como se diz no português mais arruado, “perderam rede”. Ambos ouvidos e constituídos arguidos, sendo que um, segundo boca pequena, foi inclusive barrado de sair do país quando já se encontrava no avião.

A história é uma espécie de segundo capítulo da “série” combate a corrupção, e garantia de que ninguém está acima da lei. Mas nessa, ao contrário das normais histórias televisivas, o bandido não é simplesmente largado a morte ou a punição, já que a punição ou detenção do mesmo, pode levar a um descrédito do artista. Por não ter sido detido directamente por si.

É estranho fazer essa analogia, mas não é apenas estranho, é confuso. Mais confuso que isso, só mesmo o que efectivamente aconteceu:

A UNITA que tanto se bateu na luta contra a corrupção e tanto defendeu a punição exemplar dos tais corruptos, com destaque por exemplo, para o seu voto contra a  aprovação da  lei de repatriamento de capitais, por achar demasiado branda e portanto incapaz de efectivamente punir os prevaricadores… Normal!
O tempo passa, e o Executivo vai dando efectivos sinais de realmente querer punir os ditos prevaricadores, e começa o anormal, a UNITA, a mesma que ontem disse que o executivo nada ou quase nada fazia para combater os males, vem a público e defende uma amnistia para os mesmos tais que ontem não mereciam qualquer tipo de clemência.

É tão anormal que só pode ser encarado como atitude meramente política. Só cabe a ideia de a UNITA estar a fazer o normal da política, opor-se e tentar mostrar outro caminho que como é natural, pode ser válido para alguns.

É aceitável? Pode até ser aceitável. Política é isso, mostrar caminho alternativo ao que a posição segue. Até porque não se agrada a todos e, é portanto natural que as escolhas da posição não agradem a todos. Pode soar estranho, mas é verdade. Entretanto, esaa atitude de mudar de estratégia, em função da leitura do momento ou simplesmente pela ideia de fazer política e opor-se a posição, tem sempre o custo de meter em cheque aquilo que é a capacidade que a UNITA tem para manter um posicionamento.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (203)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (8)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (11)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (48)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD