Connect with us

Politica

“A ‘esperteza’ do MPLA tem os dias contados”, avisam os três líderes políticos

Published

on

Adalberto Costa Júnior, Justino Pinto de Andrade e Abel Chivukuvuku, anunciaram, nesta quarta-feira, 10, em conferência de imprensa conjunta, estarem firmes, dispostos e determinantes, para derrubar e colocar para a oposição, o partido no poder, nas próximas eleições gerais, previstas para o próximo ano.

Nos seus discursos, os três líderes políticos consideraram o MPLA como um partido “doente”,  e que nada mais tem para servir aos angolanos.

“O MPLA precisa ir para oposição para se limpar do mal que tem dentro de si”, disse, Justino Pinto de Andrade, líder do Bloco Democrático.

Os três políticos afirmaram ainda estarem cansados com as cobranças dos jovens angolanos, que há muito vêm pedindo mais empenho da oposição, para tirar o MPLA do poder em 2022.

A referida conferência de imprensa denominada Tripartida, teve como principal objectivo pronunciar-se sobre a proposta pontual da revisão constitucional avançada recentemente em conselho de Ministros pelo Presidente da República, João Lourenço.

No entender de Abel Chivukuvuku, mentor do projecto político Pra-JA Servir Angola, a proposta da revisão anunciada pelo Presidente da República, deve-se ter muita atenção por parte da oposição. Chivukuvuku desconfia que a anunciada revisão constitucional pode vir a servir de armadilha para a oposição e para os angolanos.

“Conhecedores que somos do MPLA, devemos ficar atentos porque, com certeza estão a meter armadilhas num lado qualquer”, afirmou Chivukuvuku.  No seu discurso, entre outras críticas feitas ao MPLA, Chivukuvuku mostrou-se preocupado com a suposta campanha que tem sido feita contra a imagem de Adalberto Costa Júnior, presidente da UNITA. Em forma de solidariedade, o mentor do projecto político PRA-JA Servir Angola, disse que a introdução do artigo 145 tem como fim único, perseguir o presidente da UNITA.

“Sem vergonha, estão a querer instituir o artigo 145, que é simplesmente a perseguição a uma pessoa, o que não é justo. Mas tudo na vida há sempre antídoto, e com certeza, vamos encontrar antídotos”, disse, Chivukuvuku.

Por sua vez, Adalberto Costa Júnior, depois de questionado pelos jornalistas sobre quais seriam os métodos a serem usados para derrubar o MPLA, o presidente da UNITA rejeitou partilhar as estratégias que poderão ser usadas nas próximas eleições, que, na visão dos três políticos, o foco e objectivo principal, será o de tirar o MPLA no poder.

“As estratégias não se partilham”, disse Costa Júnior, em gesto de remate final do seu discurso.

A referida conferência de imprensa decorreu na manhã desta quarta-feira, 10, numa das unidades hoteleiras de Luanda, onde foi  apresentada e assinada pelos três políticos, uma declaração conjunta da anunciada revisão constitucional.

Por: Dumbo António