" />
Conecte-se agora

Mundo

Rússia acusa senadores dos EUA de interferir em votação da Interpol

Redação

Publicados

on

- Vladimir Putin e Medvedev - Rússia acusa senadores dos EUA de interferir em votação da Interpol

O Kremlin tachou esta terça-feira de ingerência a atuação de quatro senadores dos Estados Unidos que pediram numa declaração pública votos contra o candidato russo que concorre à presidência da Interpol.

“Provavelmente é uma espécie de ingerência nos processos eleitorais de uma organização internacional. Como mais podemos interpretar? É um claro exemplo disso”, disse em conferência de imprensa o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov.

Ao mesmo tempo, Peskov precisou que as autoridades russas ainda não leram a carta dos legisladores.

Contudo, pediu para esperar pelos resultados da votação, que será realizada na próxima quarta-feira no Dubai no marco da 87ª Assembleia Geral da Interpol.

Os senadores Jeanne Shaheen, Roger Wicker, Chris Coons e Marco Rubio, membros da Comissão sobre Segurança e Cooperação com a Europa do Congresso dos EUA (Comissão Helsínquia), pediram na segunda-feira numa declaração conjunta a evitar a escolha do russo Alexander Prokupchuk como dirigente da organização policial.

“Escolher o general maior Alexander Prokopchuk como novo presidente da Interpol é como colocar uma raposa para controlar o galinheiro”, escreveram os legisladores.

O grupo alegou que a Rússia “utiliza com assiduidade” a organização para “ajustar contas” com as vozes dissidentes, entre políticos, ativistas e opositores.

Segundo os senadores, Prokopchuk esteve “pessoalmente envolvido na estratégia da intimidação” projetada pela Rússia com o objetivo final de “debilitar as instituições democráticas” e “elogiar o regime autoritário” desse país.

Por essa razão, pedem à Casa Branca e aos 192 membros da Assembleia Geral da Interpol que votem contra Prokopchuk nesta quarta-feira.

Prokopchuk, vice-presidente da Interpol e responsável do Escritório Nacional da organização para a Rússia, concorre com o sul-coreano Kim Jong Yang, vice-presidente sénior do Comité Executivo da Interpol e presidente interino depois da detenção em setembro do chinês Meng Hongwei.

Este desapareceu a 25 de setembro após entrar num avião rumo à China e, após vários dias de silêncio, a Comissão Nacional de Supervisão chinesa -o órgão anticorrupção- confirmou a sua detenção.

A 7 de outubro, a Interpol recebeu a carta de demissão do até então presidente e uma comunicação de Pequim informando que Meng também não iria continuar como delegado da China na organização.

EFE

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Autores

Ana Margoso
Ana Margoso (5)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (142)

Editor

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (7)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (8)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (33)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação