" />
Conecte-se agora

Sociedade

Habitantes da região fronteiriça recorrem a serviços médicos na RDC

Mais de 3.500 habitantes da Regedoria/Saimbuanda, província da Lunda Norte, recorrem à assistência sanitária e ensino primário da República Democrática do Congo (RDC), por falta de serviços e infra-estruturas afins na região.

Redação

Publicados

on

- Crian  as - Habitantes da região fronteiriça recorrem a serviços médicos na RDC

Esta informação foi prestada à imprensa no fim-de-semana pelos anciãos da referida Regedoria, durante a visita do governador provincial Ernesto Muangala ao marco-21, que deu início a jornada de constatação às condições sociais nas áreas fronteiriças com a RDC.

Ernesto Muangala justificou o facto dizendo que esta situação surgiu em razão do tempo que foi preciso para a reposição daquela parcela ao território nacional, uma vez que as autoridades congolesas reclamavam como sendo sua até 2006.

Naquele posto da polícia da Guarda Fronteira de Angola, o governante tomou conhecimento que 200 estrangeiros em situação ilegal saíram voluntariamente do território nacional durante o mês transacto, no quadro da Operação Transparência.

Ndala Kapaka, um dos seis sobas da Regedoria que dista a seis quilómetros da província do Cuango (RDC), defendeu a melhoria dos acessos para a promoção do comércio rural.

Por sua vez, Pedro Nelson, um dos dois professores primários há um ano na comunidade, disse notar um elevado índice de absentismo e fraca assimilação dos alunos na língua portuguesa, por ainda frequentarem escolas congolesas onde aprendem a língua local “lingala” e o francês.

Os encarregados de educação explicam que a situação ocorreu devido a falta de professores e infra-estruturas escolares, mas garantem o retorno dos filhos às aulas em instituições nacionais de ensino, a partir do próximo ano lectivo.

O mesmo partilha a adolescente Rachel Cassenga, de 15 anos, que deplorou a ocupação das instalações de igrejas para as aulas em detrimento dos cultos de adoração a Deus.

Presente na caravana do governador, o Conservador Provincial do Registo Civil, Chissola Yânvua, adiou o registo gratuito perspectivado para mais de 800 menores da povoação em consequência da chuva.

A província da Lunda Norte, com mais de 900 mil habitantes em dez municípios, partilha 770 quilómetros de fronteira com a República Democrática do Congo.

ANGOP

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Autores

Ana Margoso
Ana Margoso (3)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (123)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (5)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (7)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (8)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (30)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (8)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (2)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD