" />
Conecte-se agora

Cultura

Viriato da Cruz e Jaka Jamba entre os distinguidos no Prémio Nacional de Cultura e Artes – 2018

O júri do Prémio Nacional de Cultura e Artes, edição de 2018, atribuiu este ano, o galardão da disciplina de Literatura, a título póstumo, ao poeta Viriato Francisco Clemente da Cruz, por ser “digno representante da cultura nacional que exalta, com profundidade, a identidade e os valores da angolanidade” e manifesta a esperança de se reviverem os costumes locais “num processo apaixonado para a valorização cultural da nação angolana.”

Redação

Publicados

on

- Viriato e JAka jamba - Viriato da Cruz e Jaka Jamba entre os distinguidos no Prémio Nacional de Cultura e Artes – 2018

O anúncio foi feito ontem, na sala de reuniões do Ministério da Cultura, em Talatona, pelo presidente do júri, Vatomene Kukanda, que realçou que o prémio, nas variadas modalidades artísticas, foi atribuído, tendo em conta a reconciliação nacional, a inclusão social, a unidade nacional, a representatividade de várias regiões e sensibilidades políticas.

O júri do prémio decidiu atribuir este ano, pela primeira vez na história do concurso, uma Menção Honrosa, também a título póstumo, ao professor Almerindo Jaka Jamba, pelos “feitos a nível da formação do novo cidadão angolano, agregando ao conhecimento o sentido de alteridade, o respeito e a valorização dos angolanos e angolanas, enquanto base do desenvolvimento humano e sustentável.”

O prémio na categoria de Música foi atribuído ao músico e compositor Waldemar dos Santos Alonso de Almeida Bastos, cujo nome e obras individuais e colectivas diversificadas editadas têm vindo a destacar-se no país e na diáspora, tendo as suas composições e interpretações incidido sobre a música revolucionária, po-pular urbana e clássica de dimensão nacional e internacional, tendo-lhe sido outorgado um prémio internacional em segundo lugar no International Song Writing Competition.
Ao gravurista António Feliciano Dias dos Santos “Kidá”, foi-lhe atribuído o prémio na categoria de Artes Visuais e Plásticas. Mentor e mestre do grande movimento da classe dos gravuristas, técnica de gravar sobre um suporte, desde os anos 70, Kidá foi o pilar da grande exposição colectiva no Fenacult’2014, tendo realizado um grande encontro sobre o movimento de gravura angolana, o que tem vindo a inspirar a criatividade da juventude angolana nas artes de gravar e imprimir.

Pela qualidade técnica, artística e a reflexão apresentada na obra “Cassinda Não Volta Atrás”, que desde a sua estreia é muito ovacionada, o prémio na disciplina de Teatro foi atribuído ao grupo Ngwizane Tuxikane. A peça de teatro retrata, de forma original, os valores culturais e morais da vida social do município do Bailundo “Mbalundu”, tornando-a num clássico do teatro angolano.
O coreógrafo Sakaneno João de Deus é o vencedor na categoria de Dança, pela sua trajectória, levada com alma, dedicação, humildade, sacrifício e competência, no processo da profissionalização da arte da dança angolana. É membro efectivo do Conselho Internacional de Dança da Unesco.

O prémio de Cinema e Audiovisuais foi atribuído, a título póstumo, ao realizador Misael Filipe de Almeida, um profissional que se destacou no género documentário pelo conjunto da obra, com relevância para, gravuras e pinturas de Tcitundo-Hulo, Efico – Ritual da Puberdade da Mulher Mumuíla, Moluscos do Mussulo, – Biologia do Mexilhão Perna – Perna e Oceanografia Angolana.

O júri do Prémio Nacional de Cultura e Artes 2018 atribuiu, igualmente, os troféus na categoria de Investigação em Ciências Humanas e Sociais, ao historiador Fidel Raul Carmo Reis, pela obra intitulada “Era Uma Vez… O Campo Político Angolano (1950-1965)” que se contextualiza a nível regional e internacional; Jornalismo Cultural ao programa televisivo “Tudo e Mais” por ser um programa que, ao longo dos dez anos de transmissão, insere e destaca importantes elementos tradicionais e contemporâneos da cultura huilana e Festividades Culturais Populares aos Bakama, por se tratar de uma instituição secular, apontada como um dos grandes baluartes da defesa e preservação da afrocacia e angolanidade do povo de Cabinda.

O Prémio Nacional de Cultura e Artes é a mais im-portante distinção do Estado angolano neste sector, tendo como principal objectivo incentivar a criação artística e cultural, bem como a in-vestigação científica no do-mínio das ciências humanas e sociais.
O prémio constitui uma homenagem e incentivo ao génio criador dos angolanos, de modo a perpetuar entre os cidadãos ideias tendentes à compreensão das múltiplas formas da criação artística e diversidade das manifestações linguísticas e culturais do povo e da nação.

C/ JA

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Autores

Ana Margoso
Ana Margoso (3)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (123)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (5)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (7)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (8)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (30)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (8)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (2)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD