" />
Conecte-se agora

Opinião

O discurso sobre o estado da nação de João Lourenço

Walter Ferreira

Publicados

on

o discurso sobre o estado da nação de joão lourenço - Walter Ferreira - O discurso sobre o estado da nação de João Lourenço

É com muita expectativa que os angolanos através da assembleia nacional órgão de soberania poderão ouvir o discurso sobre o estado da nação do Presidente da República a ser proferido já no próximo dia 15 de outubro. Esta expectativa deve-se ao facto da sua popularidade estar em alta não só no entendimento dos cidadãos, más também da última sondagem feita por uma empresa espanhola que acabou por apresentar 93% de popularidade que os angolanos e as angolanas deram através de inquéritos ao chefe de Estado.

Embora este quadro ser relevante para aferir o exercício do seu poder neste primeiro ano de mandato que completou no passado mês de setembro, também é primordial que se perceba que estes 93% de popularidade do presidente da república João Lourenço estão mais ligados ao seu discurso e não propriamente aos resultados das medidas de governação.

Temos dois discursos que caracterizam o exercício do poder político de João Lourenço, nomeadamente o combate a corrupção e a impunidade, depois ao lado temos algumas acções destes discursos que foram concretizadas no plano da procuradoria geral da República com as detenções mediáticas que a sociedade recebeu com entusiasmo. Num outro sentido é notório que ainda por si só os discursos não cativam as populações mais pobres aquelas que não encontram respostas na implementação das políticas públicas.

Será fundamental que o discurso do presidente da república a nação seja de linhas estratégicas de condução dos próximos caminhos da sua governação trazendo uma visão abrangente dos órgãos do Estado e a sua relação com a sociedade.

Se por um lado o presidente João Lourenço apresenta-se como um reformista do ideal de um novo estado , então deve se munir de pessoas politicamente estratégicas que estejam no espírito das suas visões, e dos seus desafios.

Há uma necessidade urgente do presidente João Lourenço, reformar o partido no que concerne as ideias para que possam assimilar a tese do combate a corrupção e a impunidade, para que não haja rejeição ou descontinuidade ideológica.

O discurso sobre o estado da nação constitui a carta do contrato social que o Presidente da República através dos diagnósticos e o balanço da governação pode propor novos caminhos para o país. Já não será o olhar dos cidadãos angolanos sobre a sua popularidade, más sim o olhar do Presidente da República sobre o resumo do seu primeiro ano de mandato e a visão a ser proposta para uma nova economia, justiça, administração pública, e o desempenho dos seus auxiliares, sem escapar da diplomacia e de como o Estado quer uma sociedade de valores republicanos assentes numa combinação de harmonização das instituições do estado e a sociedade.

O chefe de Estado deve também abrir uma nova visão reformista dos órgãos da juventude já não num modelo de solidariedade paternalista e monolítico em que se exclui as forças juvenis de participação cívica alternativa. É importante uma nova estratégia paradigmática em relação a juventude para nascer uma nova consciência colectiva promissora e mais abrangente aos desafios da modernidade enquadradas num movimento social do tipo pluralista em acção ou de acção e resultados.

O presidente João Lourenço, não pode abdicar em ouvir novas propostas de vivências e de alternativas da juventude legitimando o modelo do passado pouco eficaz na resolução dos grandes problemas da juventude. Se o discurso a ser proferido continuar com a mesma narrativa de autenticidade será benéfico , nos restando apenas cobrar a sua materialização.

Os problemas sociais não podem ser ignorados e estes sim continuam a preocupar as populações, e as organizações da sociedade civil que trabalham com as comunidades. É necessário que o próximo orçamento geral do Estado tenha uma estratégia de política pública para a redução dos níveis elevados de pobreza extrema que culminaram com a morte da classe média que não tem capacidade de aquisição e que hoje perdeu o principal poder de compra das necessidades imediatas por causa do custo elevadíssimo da cesta básica.

O presidente da república João Lourenço, tem a oportunidade de fazer o discurso de interpretação da sociedade. Este poderá ser o mérito caso consiga através do seu discurso combinar o idealismo com o pragmatismo, ou por outro lado o ser e o dever ser.

Não há Estado democrático e de direito sem a força das instituições e tão pouco o funcionamento pleno delas, e aqui as instituições judiciais devem ser órgãos de equilíbrios para a salvaguarda da paz social .

As autarquias locais são o principal desafio a curto prazo do Estado não só na sua realização, más também para a sua concretização e esta agenda não deve estar somente nos objetivos dos partidos políticos, e pode ser o barômetro da nossa democracia participativa, é neste aspecto que o presidente da república João Lourenço ao discursar sobre o estado da nação poderá manifestar a presença e o sinal de apoio do Estado as chamadas candidaturas independentes em consideração a cidadania participativa.

O Estado enquanto ente regulador e moderador deve defender os interesses legítimos dos cidadãos consagrados na nossa constituição. Que a popularidade, e a consolidação da afirmação do poder do presidente da república não venha a ser um elemento de transição autocrática numa lógica do poder absoluto pela experiência constitucional do paradigma do passado, más que tenha como função de ser o poder moderador e acima de tudo o principal garante e defensor da constituição.

O tempo das expectativas quase que termina e brevemente os angolanos contarão pelos resultados e estes sim serão o julgamento nas próximas eleições gerais.

O que esperamos também de ouvir serão efectivamente os futuros caminhos do Estado em que o presidente da República despido do poder partidário consiga levar a bom porto as reformas estruturais dos diversos órgãos do Estado culminando com o desenvolvimento harmonioso, porém, que o presidente da república João Lourenço consiga congregar políticos estratégas para uma visão transversal que possam servir o Estado em primeira instância para uma inclusão na relação entre os órgãos do Estado e a sociedade.

No último congresso ordinário do mpla em que o presidente João Lourenço foi legitimado como o presidente dos ” camaradas ” , falava da necessidade de se combater a bajulação como sendo um mal que periga a credibilidade dos investidores, más também a credibilidade do Estado. Esta prática foi patrocinada no passado pelo próprio Estado que admitia os militantes e agentes do Estado a terem uma percepção de exclusão e da permanente intriga que muitos se beneficiavam prejudicando as pessoas competentes de ascensão em cargos públicos. Este fenómeno alimentou o clima de ” bufaria” e fez cidadãos honestos comprometidos com a pátria de se abster da vida pública e da máquina do Estado.

Hoje vemos a mesma tendência a permanecer , pois o Estado não deve proporcionar um ambiente de agitação social por intermédio de relevantes figuras que usam dos cargos públicos para desrespeitarem os cidadãos com insultos e quase ameaça a intelectualidade.

Que este discurso a nação do chefe de Estado seja não só de moralização , mas, que seja de uma nova versão efectiva de como o Estado vai caminhar na presença de uma imprensa livre e que sirva o interesse público de forma imparcial.

Apesar dos sinais de abertura que a imprensa estatal hoje proporciona , ela deve ser a impulsionadora de novos valores para que possam ser incutidos pelos cidadãos. O novo estado deve ser defensor do cidadão e atrair a ele as oportunidades de desenvolvimento culrural. Só assim é que poderemos trazer uma angola do sonho colectivo, de justiça social e desenvolvimento economico e social.

Ficamos a espera da hora de ruptura de comportamentos que ainda estão muito enraizados na vida social dos angolanos. A sociedade civil deve estar livre e ser a ponte de interação com o poder político sem que ela seja domesticada com os caprichos da militância. Pois, este ainda é o estado da nação que já não pode continuar senhor presidente João Lourenço.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Autores

Ana Margoso
Ana Margoso (3)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (122)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (5)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (7)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (8)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (30)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (8)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (2)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD