" />
Conecte-se agora

Mundo

São Tomé e Príncipe a votos, sob o olhar de 40 observadores internacionais

Mais de 97 mil eleitores de São Tomé e Príncipe escolhem este domingo o futuro primeiro-ministro do país, com Patrice Trovoada a pedir a renovação da maioria absoluta e Jorge Bom Jesus a procurar levar o MLSTP-PSD ao poder.

Redação

Publicados

on

são tomé e príncipe a votos, sob o olhar de 40 observadores internacionais - Elei    es S - São Tomé e Príncipe a votos, sob o olhar de 40 observadores internacionais

Os são-tomenses vão eleger os 55 lugares da Assembleia Nacional, as lideranças das seis câmaras distritais da ilha principal e o novo governo regional da ilha do Príncipe.

As 247 assembleias de voto em todo o país abrem às 07:00 e encerram às 18:00, estando inscritos um total de 97.274 eleitores.

Eleito em 2014 com maioria absoluta na Assembleia Nacional (33 deputados em 55), o primeiro-ministro cessante, Patrice Trovoada (Ação Democrática Independente), insistiu, ao longo da campanha eleitoral, na necessidade de renovar o mandato, pedindo para ir “mais além” e prosseguir o trabalho que reconheceu não ter conseguido fazer nos últimos quatro anos.

Entre os seus adversários, destacou-se Jorge Bom Jesus, que está desde Julho à frente do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social Democrata (MLSTP-PSD, líder da oposição, com 16 deputados eleitos em 2014).

Caso não consiga uma maioria absoluta nas legislativas de domingo, o MLSTP já tem um acordo assinado para constituir Governo com a coligação formada pelo Partido da Convergência Democrática (PCD), a União para a Democracia e Desenvolvimento (UDD), e o Movimento Democrático Força da Mudança (MDFM), encabeçada por Arlindo Carvalho.

A estas eleições concorrem ainda Elsa Garrido (Movimento Social Democrata – Partido Verde) e Martinho Stock (Força do Povo).

Este foi o primeiro mandato executivo cumprido na totalidade, desde a introdução do multipartidarismo, há 26 anos, algo que o primeiro-ministro cessante justificou, em declarações à Lusa, com a “coesão social” e pelo “bom relacionamento institucional” com o Presidente da República, Evaristo Carvalho, também da ADI.

Numa mensagem dirigida aos são-tomenses, transmitida na sexta-feira, o chefe de Estado afirmou que os são-tomenses vão poder “avaliar os resultados de quatro anos de uma governação sucessiva” e aplicar a “expressão popular ‘o povo põe, o povo tira’”.

“Desde o advento da democracia no nosso país, há 26 anos, é a primeira vez que se viu a oportunidade de avaliar os resultados de quatro anos de uma governação sucessiva. Eis chegada a hora que nos oferece a democracia, seguindo a expressão popular ‘o povo põe, o povo tira’, isto é, para aprovar o que está bom e rejeitar o que é mau para o desenvolvimento da nação”, afirmou Evaristo Carvalho.

O Presidente são-tomense defendeu que os eleitores devem “refletir e votar com consciência para que seja acertada a escolha” com “o desejo e pensamento no futuro do país”.

O processo eleitoral deverá ser acompanhado, no terreno, por mais de 40 observadores internacionais, de organizações como a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), União Europeia e União Africana, mas também dos Estados Unidos da América e da Nigéria.

Quanto às câmaras regionais, a ADI conquistou nas últimas eleições a liderança de cinco dos seis distritos da ilha de São Tomé (Água Grande, Mé-Zochi, Lembá, Lobata e Cantagalo), e apenas o distrito de Caué é do MLSTP.

No Príncipe, com 5.168 eleitores, concorrem três candidatos: o atual presidente do governo regional, José Cassandra, da União para Mudança e Progresso do Príncipe (UMPP), procura um quarto mandato, e confronta-se com o candidato do MLSTP, Luís Prazeres (‘Kapala’), e com Nestor Umbelina, dissidente da UMPP, que concorre pelo recém-criado Movimento Verde para o Desenvolvimento do Príncipe.

A Comissão Eleitoral Nacional (CEN) já apelou aos votantes para que se desloquem às urnas “o mais cedo possível”.

“Temos constatado que os eleitores esperam até à última hora para aparecer no final do dia, e isso tem criado muito constrangimento, porque são muitas pessoas no final do dia”, comentou o presidente da CEN, Alberto Pereira, em declarações à imprensa na sexta-feira.

Este alerta foi uma referência indireta ao fenómeno do ‘banho’ – tentativa de compra de votos pelos partidos -, que faz com que muitos eleitores esperem até perto da hora de fecho das urnas para tentarem receber algum dinheiro.

A Comissão Eleitoral deverá prestar informações sobre a forma como está a decorrer a votação por duas vezes, ao longo do dia de hoje.

Na última sexta-feira, a notícia da morte de um homem, alegadamente por violência policial, na Trindade (distrito de Mé-Zochi, a cerca de 10 quilómetros da capital), marcou o último dia de campanha eleitoral, com manifestações junto ao comando da polícia naquela localidade e também perto do hospital central Ayres de Menezes, em São Tomé, para onde o corpo do homem foi levado.

A comunidade de Monte Café (Mé-Zochi), de onde era natural a vítima, ameaçou, na sexta-feira, boicotar a votação.

C/ LUSA

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Autores

Ana Margoso
Ana Margoso (3)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (122)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (5)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (7)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (8)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (30)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (8)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (2)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD