" />
Conecte-se agora

Justiça

Detenção do Ex-governador da Huíla pode ocorrer a qualquer momento

Redação

Publicados

on

detenção do ex-governador da huíla pode ocorrer a qualquer momento - Marcelino Tyiping - Detenção do Ex-governador da Huíla pode ocorrer a qualquer momento

O ex-governador João Marcelino Tyipinge foi chamado a depor, hoje, na Procuradoria-geral da Huíla, por alegado envolvimento no desvio bilionário da Educação, depois de o ex-director provincial deste sector ter mencionado o seu nome como beneficiário de comissões. A PGR tem provas das transferências da comissão para contas daquele dirigente.

Marcelino Tyipinge foi notificado a depor hoje e aventa-se a possibilidade de vir a
ser decretada a sua detenção. O caso está relacionado ao desvio bilionário na educação, ocorrido em 2014.

Um dos implicados no processo- crime 2272-SIC-18, que envolve crimes de peculato, corrupção, associação criminosa e de branqueamento de capitais, disse que foram transferidos dinheiros de comissão para contas ban- cárias do ex-governador.

Entretanto, a PGR tem os documentos que comprovam tais operações, com os quais o ex-governador será confrontado.

Os dirigentes detidos respondem pelos crimes de peculato, abuso de confiança, associação criminosa e desvio de fundos públicos. O director do Gabinete Provincial da Educação da Huíla, Américo Chicoty, e o ex-delegado das Finanças da mesma província, Sousa Dala (actualmente na mesma função no Huambo), estão entre os quatro cidadãos detidos por, supostamente, estarem implicados no desvio de mais de 2 mil milhões de Kwanzas que ser- viriam para pagar a professores locais.

Sobre todos eles pesa ainda o processo da aquisição de laboratórios orçados em 199 milhões, 999 mil, 999 Kwanzas e 96 cênti- mos, que serviriam para equipar as escolas daquela província. A responsabilidade da compra era da empresa Ciko Soluções, Gestão e Empreendimentos, com sede em Luanda, e, por isso, os responsáveis desta empresa também estão detidos.

Os dois dirigentes provinciais, (da Educação e das Finanças) foram ouvidos pela PGR aquando da fase de instrução processual e um deles terá afirmado, segundo uma fonte do Jornal OPAÍS, que o ex-governador João Marcelino Tyipinge foi um dos principais beneficiários das comissões de pagamento, tanto do dinheiro que serviria para os professores, quanto do dinheiro que serviria para a compra dos laboratórios escolares.
Os meandros dos milhões

Dos 3.545 funcionários a que a então Direcção Provincial da Educação na Huíla devia dinheiro, feitos os acertos, deu-se com um remanescente de praticamente 200 milhões de kwanzas e com um grupo de professores que varia nos números apresentados pelo sindicato, governador provincial e director provincial da Educação.

Na altura, Tyipinge justificou que para proceder àqueles pagamentos, a província da Huíla recebeu do Tesouro Nacional um total de 3 biliões, 364milhões, 43 mil, 681 Kwanzas e 43 cêntimos, que serviram para pagar a todos. O ex-governador provincial insistiu que depois do processo de pagamento apenas apareceram 33 reclamações, de igual número de funcionários, e que foram todas atendidas.

Numa conferência de imprensa que deu para esclarecer este escândalo, o então governador tinha dito que não se tratava de salários, trata-se de subsídios de colaboração, subsídios de exames e diferenças salariais para aqueles indivíduos que tinham cargos de direcção e chefia.

Dos mais de 3 mil milhões de Kwanzas que o ex-governador afirma terem servido para o pagamento da divida em favor de 3.545 funcionários do sector da Educação no ano de 2014, houve um remanescente de 199.999.999,96 (cento e noven- ta e nove milhões, novecentos e noventa e nove mil e novecentos e noventa e nove Kwanzas e noventa e seis cêntimos).

Este valor, segundo afirmou, foi aplicado para a compra de laboratórios distribuídos nos seguintes moldes: cinco laboratórios de Física para o segundo ciclo, orçados em Kz 60.704.228,30; três laboratórios de Biologia para o primeiro ciclo com o custo de Kz 15.808.594,20; três laboratórios de Física para o primeiro ciclo, orçados em Kz 33.422.776,92, e três laboratórios de Química para o primeiro ciclo avaliados em Kz 26.136.803,55.

C/ OPAIS

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Autores

Ana Margoso
Ana Margoso (3)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (122)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (5)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (7)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (8)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (30)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (8)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (2)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD