" />
Conecte-se agora

Mundo

Presidente de Cuba na ONU: “Somos a continuidade, não ruptura”

Redação

Publicados

on

presidente de cuba na onu: "somos a continuidade, não ruptura" - PR CUBA ONU - Presidente de Cuba na ONU: “Somos a continuidade, não ruptura”

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, sucessor de Fidel e Raúl Castro, estreou na ONU nesta quarta-feira com uma defesa enfática do modelo socialista que vigora na ilha há quase seis décadas: “Somos a continuidade, não a ruptura”, afirmou.

“A mudança geracional em nosso governo não deve iludir os adversários da Revolução”, informou o dirigente de 58 anos na Assembleia Geral das Nações Unidas, a principal reunião anual da diplomacia mundial.

Cinquenta e oito anos após o primeiro discurso de Fidel Castro na Assembleia, Díaz-Canel assegurou que Cuba avança para aperfeiçoar seu sistema econômico e social.

“A Cuba em nome da qual falo hoje é orgulhosa seguidora dessa política independente, soberana, fraternal e solidária com os pobres da terra, produtores de toda a riqueza do planeta, embora a injusta ordem global os castigue com a miséria, em nome de palavras como democracia, liberdade e direitos humanos, que os poderosos na realidade esvaziaram de conteúdo”, afirmou.

Díaz-Canel criticou o capitalismo, paradigma que segundo ele “garantiu” o colonialismo e fez nascer “o fascismo, o terrorismo e o apartheid”, promoveu guerras, violou soberanias e é responsável por milhões padecerem de pobreza, fome e analfabetismo.
O presidente cubano lamentou que a ONU disfarce guerras como “intervenções humanitárias” e permita “golpes brandos” por parte de algumas potências. Ele pediu o fortalecimento da Assembleia Geral como principal órgão de deliberação e a democratização do Conselho de Segurança.

Díaz-Canel advertiu sobre “persistentes ameaças” contra a América Latina diante do “avanço imperial” dos Estados Unidos, sobretudo contra a Venezuela. Também denunciou “as tentativas de desestabilizar o governo da Nicarágua.

Díaz-Canel fez ainda a histórica reivindicação cubana pelo “fim do cruel bloqueio econômico, comercial e financeiro” imposto pelos Estados Unidos em 1960, e ressaltou o interesse de Havana em ter uma relação de igual a igual com Washington.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Autores

Ana Margoso
Ana Margoso (3)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (123)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (5)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (7)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (8)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (30)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (8)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (2)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD